domingo, 25 de maio de 2008

Investigação qualitativa - Análise de dados

Continuando a pesquisar e a divulgar...

Por análise de dados entende-se o processo de busca e de organização sistemático de transcrições de entrevistas, de notas de campo e de outros materiais que foram sendo acumulados, durante o desenvolvimento de qualquer investigação, para que o investigador aumente a sua própria compreensão desses mesmos materiais e lhe permita apresentar aos outros aquilo que encontrou.
Neste contexto, a análise envolve o trabalho com os dados, com a sua organização, divisão em unidades manipuláveis, síntese, procura de padrões, descoberta dos aspectos importantes e do que deve ser aprendido e a decisão sobre o que vai ser transmitido aos outros. Apesar da análise ser complicada, constitui, igualmente, um processo que pode ser dividido em várias fases. Sendo encarada pelo investigador como uma série de decisões e tarefas, em vez de ser vista, como um imenso esforço de interpretação, a análise de dados pode surgir como algo mais aliciante.
Creio ser importante referir ainda, que tal como existem muitos estilos diferentes de investigação qualitativa, também existe uma panóplia de formas de trabalhar e analisar os dados. Poderá ser útil no entanto, pensar em dois modos de enquadrar as abordagens à análise. Numa das abordagens, a análise é concomitante com a recolha dos dados e fica praticamente completa no momento em que os dados são recolhidos enquanto que a outra abordagem envolve a recolha dos dados antes da realização da análise. Esta última no entanto, nunca é utilizada na sua forma mais pura, limitando-se o investigador a aproximar-se apenas dela.
Os autores da obra de referência aconselham o investigador inexperiente a utilizar estratégias referentes ao modo de análise no campo de investigação, deixando a análise mais formal para quando a maior parte dos dados tiverem sido recolhidos, uma vez que o trabalho no estabelecimento da relação e no acesso ao campo de investigação é moroso, não lhe permitindo envolver-se de forma activa na análise.
.
Fonte: Bogdan, R; Biklen, S. (1994): Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora.

2 comentários:

Isabel disse...

Conhecer a diversidade de metodologias de conceptualização e execução da investigação qualitativa e quantitativa é um passo significativo para o sucesso pessoal e profissional, cara amiga Alice! Gostei do que vi e li! Parabéns!

ciprita disse...

Amiga:
Gostei do que li, da clareza e da expressividade!
Ah e fiquei com informações que não constavam da minha bagagem cultural!
Força nesta tua nova missão!